Pesquisar
Close this search box.

Baixe o App

Humanos transmitem mais vírus para animais do que o contrário

Animais de estimação, animais domesticados, aves, primatas e outros animais selvagens são afetados pelos específicos virais humano-para-animal.

Este estudo recente desafia a visão convencional de que a troca de patógenos entre humanos e animais é predominantemente de animais para humanos. Revela-se que os humanos transmitem quase o dobro do vírus para os animais do que o contrário. Ao analisar quase 12 milhões de genomas virais, os pesquisadores descobriram cerca de três mil exemplos de vírus de pulando de uma espécie para outra, com a maioria das indiretas (79%) ocorrendo de um animal para outro animal e os restantes (21%) envolvidos humanos. Essas descobertas contradizem a noção anterior de que os humanos são predominantemente receptores de patógenos de origem animal.

Animais de estimação, animais domesticados, aves, primatas e outros animais selvagens são afetados pelos específicos virais humano-para-animal, conhecidos como zooantroponoses. Isto sugere um impacto significativo nos humanos, no meio ambiente e nos animais ao seu redor, destacando a complexidade das interações entre os diferentes ecossistemas e a saúde global. O vírus se espalha entre espécies por meio de modos de transmissão semelhantes aos que podem afetar os humanos, como contato direto com fluidos infectados ou mordidas de outras espécies, ressaltando a interconexão entre sistemas de saúde humana e animal.

Além disso, o estudo aponta que os humanos e os animais são hospedeiros de uma variedade de microrganismos que podem saltar para outras espécies através do contato próximo. Isso sugere que a vigilância e a compreensão das interações entre os diferentes hospedeiros são cruciais para a prevenção de surtos e pandemias de doenças infecciosas. Pandemias históricas e atuais, como a gripe aviária H5N1, ilustram os riscos potenciais associados à transmissão de patógenos entre humanos e animais, enfatizando a importância de estratégias de mitigação e controle.

Embora a maioria das doenças entre espécies possa ser inconsequente, algumas podem resultar em surtos de doenças, epidemias ou pandemias, representando desafios importantes para a saúde pública. Essas descobertas destacam a necessidade contínua de pesquisa e vigilância para entender e mitigar os riscos de transmissão de doenças entre humanos e animais, protegendo assim a saúde tanto das populações humanas quanto das comunidades animais.

Fonte: CNN Brasil.