Pesquisar
Close this search box.

Baixe o App

Novo tratamento alternativo para ovário policístico utiliza uma planta medicinal

Imagem: freepik

Um extrato de uma planta medicinal pode ser a solução alternativa para o tratamento do ovário policístico, condição que afeta uma em cada 10 mulheres no mundo.

Um estudo inédito, publicado na revista científica Science, revelou que após 12 semanas, mulheres com sintomas frequentes apresentaram melhoras significativas e menos dores.

O medicamento, usado na medicina chinesa antiga para tratar malária, mostrou-se eficaz no combate à síndrome dos ovários policísticos (SOP) ao bloquear uma enzima chamada CYP11A1, essencial para a produção de testosterona nos ovários.

Imagem: freepik

A planta

A pesquisa indica que a artemisinina, substância encontrada na planta medicinal, bloqueia a enzima CYP11A1. Experimentos com camundongos e ratos diagnosticados com ovário policístico demonstraram que o medicamento reduziu os níveis de testosterona e restaurou a fertilidade.

Em humanos, a SOP interrompe o ciclo de ovulação, fazendo com que muitos folículos amadureçam ao mesmo tempo, ao invés de um por mês.

Testes com mulheres

Um teste com 19 mulheres com SOP que tomaram artemisinina por 12 semanas mostrou redução nos níveis hormonais. Ultrassonografias indicaram menor atividade dos folículos e períodos menstruais regulares foram restaurados em 12 das participantes, sem efeitos colaterais negativos.

O professor Qi-qun Tang, líder da pesquisa na Universidade Fudan em Xangai, declarou: “Com base em nossas descobertas, as artemisininas são candidatas promissoras para o tratamento da SOP, pois inibem fortemente a síntese de andrógenos ovarianos, reduzem os folículos imaturos e melhoram o ciclo menstrual.”

No entanto, mais testes são necessários para avaliar os riscos do uso prolongado do medicamento e verificar se ele restaura a fertilidade. Os cientistas também querem investigar os efeitos do supressor hormonal durante a gravidez.

Sobre a SOP

A artemisinina mostrou impedir que os ovários produzissem excesso de testosterona, um fator crucial para o desenvolvimento da SOP. Esta condição interfere na ovulação, levando a períodos irregulares e afetando a fertilidade.

Além disso, a SOP pode causar resistência à insulina, aumentando o risco de obesidade, doenças cardíacas e diabetes. Altos níveis de testosterona também podem provocar excesso de pelos faciais e acne.

“É uma doença que afeta todo o corpo. Você tem mais probabilidade de ter obesidade, doença cardíaca, muito cabelo, acne, bem como períodos irregulares e problemas de fertilidade”, afirmou Channa Jayasena, palestrante clínica sênior no Imperial College London, que não participou da pesquisa.

Os tratamentos atuais incluem a pílula anticoncepcional, medicamentos para fertilidade ou cirurgia, mas nem todos são eficazes ou adequados para todas as mulheres, conforme reportagem do The Guardian.

Com informações de Só Notícia Boa.